Você está aqui: Página Inicial / Sala de Imprensa / Artigos e Colaborações / 2015: O ANO DO ADMINISTRADOR NO BRASIL

CRA

2015: O ANO DO ADMINISTRADOR NO BRASIL

por Adm. Ednaldo Alencar — publicado 20/03/2015 10h00, última modificação 19/04/2016 12h33

Por Adm. Ednaldo Alencar

Segundo Chiavenato (2011) ADMINISTRAÇÃO é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos organizacionais para alcançar determinados objetivos de maneira eficiente e eficaz. De fato, as organizações são compostas de recursos (materiais, patrimoniais, financeiros, tecnológicos e humanos) e, portanto, precisam ser geridos (bem geridos). Desta forma, é correto afirmar que a Administração pode ser entendida como o ATO de gerenciar negócios,  pessoas ou recursos, com o propósito de alcançar objetivos pré-estabelecidos (missão e visão) de forma eficiente e eficaz. É uma palavra com origem no latim “administratione”, que significa “direção, gerência”.

Em face da necessidade de exercer uma BOA GESTÃO o profissional de Administração adquire COMPETÊNCIAS para trabalhar em diversas estruturas dentro de uma organização, bem como, em função do seu caráter dinâmico, se torna o responsável pela definição das estratégias e pelo gerenciamento do dia-a-dia da empresa fazendo uso dos seus variados PAPÉIS - informacionais, interpessoais e decisoriais – e das suas HABILIDADES – técnicas, humanas e conceituais.

O profissional de Administração além da condução das relações entre a empresa, colaboradores e stakeholders (partes interessadas ou intervenientes), também cuida de processos da área de gestão de pessoas (recrutar, selecionar, recompensar, treinar e manter – programas de benefícios e incentivos), da área de produção e operações, da área de logística, compras, vendas, armazenagem e distribuição. Pode também atuar no controle dos estoques de matéria-prima; no setor financeiro, operando nas áreas de custos, orçamentos e fluxo de caixa; e com as áreas de publicidade, marketing, consultoria e assessoria e elaboração de plano de negócios.

Existem diversos setores da sociedade em que se requerem os serviços de um Administrador, dentre os quais destacam-se os setores de atividades ligadas ao esporte, a arte, a cultura, ao setor público, terceiro setor, agronegócio, comércio exterior, perícia, auditoria, empreendedorismo, meio ambiente, logística e sistemas de informação.

A Administração é um ramo das ciências humanas que se caracteriza pela aplicação prática de um conjunto de princípios, normas e funções dentro das organizações. Os princípios são as regras básicas que regem a conduta do administrador para conduzir a gestão da empresa de maneira eficiente e eficaz. Os princípios constituem-se a base da ciência da administração

O Engenheiro Henri Fayol, através da Teoria Clássica da Administração, foi o primeiro a definir as funções básicas do Administrador: prever, organizar, coordenar, comandar e controlar (PO3C) e os princípios gerais de Administração. No entanto, o engenheiro estadunidense, Frederick Teylor, é considerado o "Pai da Administração Científica" por propor, em 1903, a utilização de métodos científicos cartesianos na administração de empresas através da ORT – Organização Racional do Trabalho e Estudo de Tempos e Movimentos.

Além de Fayol e Taylor, outros teóricos também apresentaram contribuições para o desenvolvimento da ciência da Administração, como Max Weber e Elton Mayo, Etzioni, Blau e Scott, Abraham Maslow e Frederick Herzberg, Schein, Katz e kahn e Tavistock Lawrence e Lorsch.

Atualmente, sobretudo, com as contribuições da Abordagem Neoclássica da Administração, em que um dos maiores nomes é Peter Drucker, as funções do Administrador foram retrabalhadas e são conhecidas hoje como Planejar, Organizar, Dirigir e Controlar (PODC).

Ressalta-se, então, que, destas funções, as que sofreram transformações na forma de abordar foram "comandar e coordenar" que, atualmente, são chamadas apenas de "dirigir" (Liderança).

. Os neoclássicos dão, ainda, algumas pinceladas adicionais no conceito de organização formal. Para esses estudiosos, a organização consiste em um conjunto de posições funcionais e hierárquicas orientado para o objetivo econômico de produzir bens ou serviços. Os princípios fundamentais da organização formal para os Neoclássicos são, portanto: 1) Divisão do trabalho; 2) Especialização; 3) Hierarquia (autoridade, responsabilidade e delegação) e Amplitude administrativa.

Pela complexidade de suas operações (produção de bens e/ou serviços), as organizações, ao atingirem certo porte, precisam ser administradas e a sua administração requer todo um aparato de pessoas em diversos níveis hierárquicos que se ocupam de incumbências diferentes. A administração nada mais é do que a condução racional das atividades de uma organização seja ela lucrativa ou não-lucrativa. A Administração trata do planejamento, da organização (estruturação), da direção e do controle de todas as atividades diferenciadas pela divisão de trabalho que ocorram dentro de uma organização. Assim, a Administração é imprescindível para existência, sobrevivência e sucesso das organizações. Sem a Administração, as organizações jamais teriam condições de existir e de crescer.

Os cursos de Administração no país têm uma história muito curta, principalmente em comparação com os Estados Unidos, onde os primeiros cursos na área se iniciaram no final do século XIX, com a criação da Wharton School, em 1881. Em 1952, ano em que se iniciou o ensino de Administração no Brasil, os EUA já formavam em torno de 50 mil bacharéis, 4 mil mestres e cem doutores por ano, em Administração.

O contexto para a formação do administrador no Brasil começou a ganhar contornos mais claros na década de 40, do século passado. A partir desse período, acentua-se a necessidade de mão-de-obra qualificada e, consequentemente, da profissionalização do ensino de Administração.

O ensino de Administração está relacionado ao processo de desenvolvimento do país, marcado por dois momentos históricos distintos. O primeiro, pelos governos de Getúlio Vargas, representativos do projeto "autônomo", de caráter nacionalista. O segundo, pelo governo de Juscelino Kubitschek, evidenciado pelo projeto de desenvolvimento associado e caracterizado pelo tipo de abertura econômica de caráter internacionalista.

O surgimento da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e a criação da FEA-USP marcaram o ensino e a pesquisa de temas econômicos e administrativos no Brasil, contribuindo para o processo de desenvolvimento econômico do país.

O Dia do Administrador é comemorado no Brasil em 9 de setembro, desde 1965, data referente ao período de existência da Lei nº 4.769, de 9 de setembro de 1965.

Os profissionais de Administração de todo o país têm bons motivos para celebrar 2015: neste ano, a profissão completa 50 anos de regulamentação.

Parabéns Bacharéis em Administração pelo cinquentenário da Profissão.

 

Um grande abraço,

 

Adm. Ednaldo Alencar*

 

 

* É Administrador (CRA/PE 7713), Pós-graduado em Contabilidade e Controladoria (UFPE) e Mestre em Gestão de Recursos Humanos e Comportamento Organizacional (Coimbra/Portugal). Professor dos Cursos de Graduação e Pós-graduação de diversas Instituições de Ensino Superior. Gestor acadêmico, palestrante, consultor e instrutor de Cursos Técnicos. Sócio - Gerente do INBARH - Instituto Brasileiro de Assessoria, Treinamento e Consultoria em Recursos Humanos e Gestão de Empresas Ltda. Conselheiro Efetivo do CRA/PE.
registrado em:
Publicações