Você está aqui: Página Inicial / Sala de Imprensa / Artigos e Colaborações / Queremos uma Polícia eficiente?

CRA

Queremos uma Polícia eficiente?

por Mauri Vieira Costa — publicado 15/02/2017 00h00, última modificação 08/03/2017 01h45 Mauri Vieira Costa

Por Adm. Mauri Vieira Costa

Sim, queremos, certamente, queremos! Para tanto precisamos, igualmente, de um governo eficiente e zeloso com os seus compromissos de governabilidade.

O cenário que temos hoje no País, na área de Segurança pública, é caótico, explosivo e catastrófico. Recentemente assistimos, em Vitória do Espirito Santo, cenas chocantes e, ao mesmo tempo, surpreendentes, protagonizadas por mulheres, mães e irmãs de policiais militares bloqueando as portas de entrada dos quartéis. Algo surreal, indubitavelmente, no movimento paredista brasileiro. Até que ponto as mulheres devem reivindicar, como legitimas representantes, os direitos trabalhistas em nome dos maridos, pais e irmãos num pacto laboral em que elas não são partes legitimadas? É uma cena patética, para não dizer inusitada. Oxalá, a moda não seja adotada em Pernambuco!

Não há um Estado na federação, cujo povo durma tranquilo. As pessoas estão preocupadas, as famílias temerosas, já que o sentimento predominante é de insegurança. No caso especifico de Pernambuco, assistimos a uma verdadeira queda de braços entre o governo estadual e as associações representativas dos policiais militares, com um detestável ingrediente político-partidário presente, em ambos os lados, nos embates e nas negociações.

Uma questão importante, além da conotação política reinante, é a necessidade urgente de se implantar a isonomia salarial entre as 02 (duas) polícias. Não se admite, nem é razoável sob o ponto de vista do direito natural, que um Delegado da polícia civil tenha uma remuneração superior a de um Coronel da polícia militar ou um agente receba um salário maior que um soldado. Tal dicotomia salarial é extremamente cruel, e incompreensível, para com aqueles que fazem a força policial ostensiva em nosso Estado.

O povo, historicamente vulnerável, não merece ser punido com a indiferença e a irresponsabilidade político - administrativa do governo de Pernambuco.

por Mauri Vieira Costa

Presidente do Casa do Administrador em Pernambuco - CAPE

registrado em: ,
Publicações